quarta-feira, 16 de junho de 2010

Relendo meus poemas antigos, notei o quanto falava das rosas, do vento, do vinho, da noite, do amor e da morte, coisas que dizem todos os poetas, todos os apaixonados, notei que, esses poemas, já não dizem muito sobre mim, nunca disseram, por que eram escritos por um coração incompleto, mesmo me apaixonando algumas vezes, ainda era imcompleto. Agora, uma parte de mim está completa.
Já não falo tanto das rosas, do vinho, do vento ou da morte, mas falo ainda do amor é ele que me move e diz sobre mim e ja falei e falarei de tanta outras coisas, tantos outros assuntos, mas o amor, está em todas as coisas, por mais sutil que possa estar.

1 Diga lá::

Gêh disse...

Acho que esses poemas todos fazem parte do crescimento de qualquer poeta ou pseudopoeta que seja. Imagino que foram eles que impulsinaram você a escrever (como a mim também) e imagino que foram esses poemas de amor que fizeram você sentir mais profundamente o amor, mesmo que deuma forma " romântica", exacerbada, e iamgino mais....foram esses poemas que não deixaram você ser consumido por esse mundo sem sentimentos, só de ações... mesmo que hoje não mais os escreva e dê até risada deles, foram eles a base de tudo, não poderia serde outra forma. é por isso que hoje voc~e não precisa mais falar tanto desses assuntos, apena senti-los...mas se não tivesse escrito, talvez não sentiria com tanto " amor".

Postar um comentário