terça-feira, 8 de março de 2011

Espelhos insistem em mostrar minhas costas

Se me permite, quero ter o direito de sentir, sem que com isso seja considerado um tolo.
Quero ter o direito de ainda Amar, sem que desperte ódio. Não me culpe por isso.

Afundei meu coração em razões e teorias que não sei decifrar.
Escondi a saudade tão intensamente que não consigo esquecer.
E nem assumir que não quero esquecer.

Escrever não é uma arte fácil. O Word e suas limitações não me permite expressar todas as coisas. Minhas limitações também não. E tudo o que quero expressar não é de interesse alheio. Sou eu quem me ouve agora.

Andar não é uma arte fácil. Os pés se confundem entre esquerda e direita, esquerda, tropeça.
Os pensamentos caem na estrada. Quem dera eu pudesse ler meus pensamentos.
Quero ter o direito de inventar o que penso.
Quero ter o direito de pensar que invento alguma coisa.
Quero ter o direito de pensar em qualquer coisa, sem que com isso pensem que não saí do lugar.

Existir não é uma tarefa fácil. Nunca se sabe o que realmente é.
Nunca se sabe quem realmente sou.
Se realmente cresci pequeno, não me culpe.
Se realmente estou crescendo, pequeno, esperarei para ser grande.

Se me permite, quero dizer uma última coisa: Quero ter o direito de ser repetitivo.
Quero ter o direito de ainda Amar, sem que desperte ódio. Não me culpe por isso.

2 Diga lá::

Alexandre disse...

Ain super lindo e mataforo! Super gostoso de ler!
*---*

Cara tu tava pensando em mim qnd escreveu isso? aushaush [/zoando!

Enfim, lindo!

Semquerer abusar, se puder passa no meu blog?
http://voandoalem.blogspot.com/

é bem ruinzinho perto do teu mais da pra ler!
Flws

Jéssica disse...

muitoo bom, me identifiquei pra caramba *-*

Postar um comentário