quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

No Cartório

- Próximo.
- Boa tarde, venho solicitar a segunda via de um atestado de óbito.
- Ok, deixe me ver esses papéis. - São esses. -
- Quem é Sebastião Almeida de Alencar?
- Era. Ele era meu tio.
- Compreendo, mas para uma segunda via deste documento só com a presença dele.
- Mas ele está morto.
- Nesse caso ele pode assinar uma declaração escrita de próprio punho te autorizando a solicitar a segunda via em nome dele.
- Mas como? Já disse ele está morto, não pode assinar nem escrever nada.
- Outra solução nesse caso é alguém redigir a procuração e ele passa a digital.
- Olha, por que tudo isso? É impossível ele vir aqui ou assinar qualquer coisa, você não sabe o que “está morto” significa?
- Senhora, me desculpe, mas não sou eu que faço as regras, apenas as cumpro. Se desejar fazer alguma reclamação, pode enviar um formulário para o departamento responsável. Próximo.

5 Diga lá::

Victor Lourenço disse...

Brasil, o país da burocracia.

Patrick Pinheiro disse...

Afinal ordens são ordens...
É comum esse tipo de coisa acontecer e ninguém saber

Rurik disse...

O pior é que coisas assim realmente acontecem... Já ouvi uma história bem parecida certa vez, de um professor, tsc. Te convido a conhecer meu blog tambem, cara. Abs.

Antonio Santos disse...

Burocracia igual a Portugal. Agora qual dos dois Países é mais notória!Bom cada caso um caso,aqui,(Portugal),é um descalabro.
Abraços

Pergunte a uma mulher disse...

Ótima lembrança da burocraria brasileira hahaha

Postar um comentário