quinta-feira, 21 de março de 2013

Cheguei em casa



Me dei conta, enquanto lia Clube da Luta, que passamos e desperdiçamos boa parte de nossa vida na CPTM ou em qualquer outra merda de meio de transporte público do Brasil. A Qualidade de nosso transporte é inversamente proporcional ao valor cobrado pela passagem. E há quem defenda que essa porra de tarifa ainda não paga os gastos com a locomoção. Não paga por que nosso lindo governo contrata empresas para esse serviço incrível e essas lindas empresas pretendem lucrar (por isso alguns ônibus o motorista tem dupla função)
Levo 2 horas para chegar ao trabalho, são 4 horas por dia desperdiçada com pensamentos maléficos e ouvindo pessoas falando de suas vidas medíocres.  São 20 horas por semana, 60 por mês. 60 horas que poderia ser utilizado com coisas produtivas como ver pornografia ou ajudar uma senhora a atravessar a rua, embora a primeira opção seja mais prazerosa.

7 Diga lá::

Marilia Tasso disse...

Sofro com transporte público, viajo da minha cidade para outra próxima para trabalhar, o que seria 30 min, acaba levando 1h, em um ônibus que não vale o preço e outras coisas que irritam profundamente.

Zetrusk disse...

Nossa, mas é claro que as empresas querem lucrar, se não lucrarem como sobreviverão? O problema não seria o excesso?

Kamila disse...

Clube da Luta nos faz pensar em todos os aspectos de nossa vida, seja no transporte ou no nosso cafezinho depois do almoço.
Estamos dentro do sistema. Mas será que é aí que queremos estar?

tha helena disse...

problemas com transporte publico que parecem sem fim, nunca se vê uma atitude enquanto isso todos nós perdemos nosso precioso tempo tentando chegar em casa pra descansar

Mosaicos de uma vida disse...

Nunca vi tanta ira nesse blog. Pelo menos o transporte público te serviu de inspiração pra escrever enquanto não faz algo mais produtivo rsrsrs

Cliceli A.Kovalski disse...

é justo, isso se chama Brasil. Infelizmente.

Cliceli A.Kovalski disse...

visite-me quando puder. personalideinfiel.blogspot.com de cara nova. tespero.

Postar um comentário