domingo, 25 de agosto de 2013

Poema de principiante

Meu peito ruge
Um leão devorou o conteúdo.
No espelho é que se deve chorar
Não há reflexo que dure muito tempo

Lá em cima, todo olhar para a Lua é gasto.
Aqui a areia registra e destrói.
Sobrevivente, uma pegada do passado.
Aperte os passos que o Sol já vem.

No rádio, antigas canções,
Poesia com os dedos no violão

Lembrei-me de quando queria ser Alquimista
E transformar a dura pedra do peito dela
Em um artefato raro e precioso

1 Diga lá::

Ana Paula Pimentel disse...

Olá.
Achei seu blog muito interessante.
Gosto muito de poesias e poemas e achei os seus belíssimos.
Também tento escrever algumas linhas de vez em quando.
Parabéns pelo excelente material.
Vou ficar assídua desse espaço.

Postar um comentário