quarta-feira, 15 de maio de 2013

A Fabrica

Tanta curiosidade em mil vidas que acabou.

Triste, nada permanece, nem a arte de ser nada.
Penso nas ruínas e só vejo o resto, imaginação e memória, não só histórica.
A história desse lugar é uma memória física, velha e sem planos de saúde.

E o fim de cada lembrança chegou com marteladas do Tempo na parede.
E o fim de cada noite uma martelada badala mais forte.
E o fim de cada dia ressoa uma história perdida.

E o fim chegou com um segredo.
Tudo ficou escuro,
Esse era um medo.

1 Diga lá::

Blog do Italo disse...

Bonito poema, cara.

Ficou bacana

http://blogdoitalogomes.blogspot.com.br/

Postar um comentário