sábado, 29 de setembro de 2012

Desparadoxando o ambíguo

Escrevo para esquecer e para que fique,
Para me livrar da saudade e guardar a memória,
Tem coisas que não são infinitas o suficiente,
Precisa virar poesia, precisa virar mar.

O indizível de cada palavra me interessa mais.
A rara nostalgia que fica na ponta dos dedos,
Lembranças que se escondem nas vírgulas.
Que as penas, os lápis e as canetas não conhecem.

Quando penso em você, Poesia,
Penso logo no Tempo, no vinho não acabado,
Na musica interrompida, no acorde solto.

Quando penso em você,
Penso no beijo sem sombra, no Amor da madrugada.
No coração dividido, no paradoxo esquecido.

Quando penso,
Penso em você,
Só penso
Esquecer, Poesia.

11 Diga lá::

Guilherme Augusto disse...

Faz tempo que não me encontro com ela :(

Pergunte a uma mulher disse...

Se eu escrevesse só ia lembrar mesmo =(

Fabinha disse...

Adorei! Excelente! :)
Parabéns pelo blog!

Adriano Ferreira, CM disse...

A escrita e a memória, amigas desde sempre.
As palavras voam, a escrita permanece.

poesia, sempre.

cafajeste sedentario disse...

''Escrevo para esquecer e para que fique,
Para me livrar da saudade e guardar a memória''

demais,excelente poesia !

Morini disse...

Eu gosto mais de poemas existencialistas, não sou muito chegado nas dores do amor.

Cícero Barbosa disse...

muito bacana!

Blog do Italo disse...

Bela poesia cara, parabens!!

http://blogdoitalogomes.blogspot.com.br/

Lucas Adonai disse...

Cara, essa poesia remete exatamente o que eu estou sentindo agora. SÉRIO.
Muitíssimo bom!

Morgan Nascimento disse...

Olá, parabéns pelo blog!
Se você puder visite este blog:
http://morgannascimento.blogspot.com.br/
Obrigado pela atenção

C. Camargo disse...

Sempre fico impressionada em como existe gente com talento espalhados pela net. Parabéns pelo blog, adorei teus textos!

Postar um comentário